Archive for the ‘Web para Comunicação’ Category

A Internet e a Convergência

11 janeiro 2011

convergência
con.ver.gên.cia
sf (convergente+ia2) 1 Ato ou efeito de convergir. 2 Estado ou propriedade de convergente. 3 Direção comum para o mesmo ponto. 4 Oftalm Movimento coordenado dos olhos, que faz com que a imagem de um ponto incida em pontos correspondentes das duas retinas. 5 Tendência para um resultado comum. 6 Meteor Condição que existe quando a distribuição dos ventos em determinada área é feita de tal maneira que forma um fluxo aéreo puramente horizontal dentro da área. 7 Sociol Desenvolvimento independente de elementos culturais semelhantes em culturas diversas, oriundas de princípios, necessidades ou invenções diferentes (exemplo claro de convergência, nesta acepção sociológica, são as pirâmides do Egito e do México). 8 Inform Medida da precisão de alinhamento e varredura dos três feixes de cores (vermelho, verde e azul) num monitor colorido, quando se desenha uma imagem na tela.

Dicionário Michaelis on line, disponível em http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=converg%EAncia

Tudo isso pra tentar explicar a convergência das telecomunicações; A internet existe porque ela convergiu com as telecomunicações se utilizando de uma base já existente, a telefonia. Na década de 80 iniciaram as primeiras transmissões de dados pela telefonia, sistema RDSI. Esse processo gerou uma diversificação da utilização de um mesmo canal de comunicação. Com o surgimento das tecnologias de banda larga (ISDN e DSL) a internet expandiu e consolidou-se como referência no processo de aquisição de informações. Novas soluções tecnológicas surgiram com o início do sistema de protocolo TCP/IP em virtude da sua grande versatilidade em aceitar novas implantações;

Existem 3 tipos de convergências:

Tecnológica: processo de utilização de uma tecnologia comum por dois serviços distinto que antes utilizavam tecnologias específicas. A telefonia e a internet.

De Redes: Utilização de uma única rede para atender o mesmo número de serviços antes oferecidos em redes específicas. Os diferentes serviços que um site proporciona.

De Terminais: Utilização de um dispositivo único para o acesso de várias redes. Lembra quanado você tinha um bina, uma agenda telefônica digital que cabiam 128k e usavam aqueles “cebolões da Motorola” para telefonar???? Hoje você tem tudo em um só aparelho e muito mais… calculadora, calendário, acesso internet, email, gps e tudo mais…

Bom, convergência é bom, dá pra assitir televisão no celular, dá pra mandar email pelo celular, você pode comprar on line jogos pelos consoles atuais de video games, você pode ouvir rádio na internet e muitas outras coisas convergentes!!!! Pois é, tudo isso gera um problemão para o pessoal da regulamentação de comunicação; Quando era só o telefone, beleza! Regulamento para telefonia, mas e agora José? Que a internet se utiliza da estrutura já existente das linha telefônicas, as regras e as regulamentações são as mesmas??? Quando você assiste televisão pela internet do seu celular, essa televisão deve ser regulamentada pelos mesmos critérios das televisões abertas??? Isso é televisão? É internet? Ou é telefonia? Bom esse é o dilema que os organismos regulamentadores de comunicação estão sofrendo. No Brasil, concessões estão  relacionadas ao espectro eletromagnético. Há concorrência livre sobrepondo segmentos regulados, como o Skype que utiliza a internet para fazer ligações telefônicas, que são mais baratas que ligações via telefone.

Em virtude de todas estas convergências há quem diga que a TC Digital já nasceu morta. Porque muitos provedores de internet poderão se tornar emissoras de TV, que é o caso da Terra TV. No entanto há interesses políticos de proteção as grandes emissoras. Não se assustem se daqui alguns você abrir a porta da geladeira e ver que não tem leite e no exato momento um entregador entrar em sua casa com leite dizendo que sua geladeira lhe mandou um email solicitando mais leite! É convergência mesmo!

Mas o futuro nessa área é extremamente incerto, a Morola já criou um celular que é uma rede social móvel. A microsoft desenvolveu o Kinect, um video game que não precisa mais de joysticks. E mais do que tudo isso a invensão desse cara Pranav Mistry http://www.ted.com/talks/pranav_mistry_the_thrilling_potential_of_sixthsense_technology.html

O nosso grande dilema como comunicadores é, o que criaremos para essas novas mídias e possibilidades tecnológicas convergentes? Se eu souber não vou contar, vou conquistar o mundo com o Pink e o Cérebro hehehe

Forte abraço

WEB 2.0

10 janeiro 2011

Ã!? Bom como falamos no primeiro texto a WEB começou como uma forma de compartilhar informações, no entanto não havia interatividade explícita pela rede. Então uns malucos resolver que poderiam vender coisas pela internet, e deu certo, bom, não para os investidores loucos que acreditaram nesse mercado no início. E depois de toda essa zona, a internet se transformou em universo de relações. Sites de relacionamento e redes sociais viraram a nova moda do universo WEB. E como diria Cris Anderson no livro A Cauda Longa, as formigas estão com megafone. Mas afinal o que quer dizer WEB 2.0, esse nome faz alusão as versões de softwares, contudo pode-se ser 2.0 com a tecnologia 1.0 e vice versa. A ideia de 2.0 tem mais a ver com o comportamento. A expressão “formigas com megafones” do livro de Anderson, refere-se a força que as pessoas, usuários, tem no universo virtual. Tão importante quanto ter um site bem planejado, é te-lo com possibilidade de participação e interatividade. Poder criticar, elogiar, participar e receber respostas torna a internet em mundo onde todos somos autores e audiência, podemos criar conteúdos que interessam a nichos específicos. Uma prova do crescimento dessa ideia é elevado aumento de BLOGs, em 2005 eram 8 milhões, três anos depois esse número subiu para 133 milhões de BLOGs.

Colaborção é a chave! A reação em cadeia dentro dos nichos faz a viralização de conteúdo. Um amigo passa pra outro, que passa pra outro, que passa…. Esses usuários, ou participantes agregam valor e produzido é um efeito colateral. Sem querer esses “críticos” produzem conhecimento, na pior das hipóteses conhecimento sobre seus gostos, seus pensamentos, suas opiniões; Para esse conceito a velocidade da informação é mais importante do que a qualidade. Gerar cada vez mais conteúdo com relevância. Os internautas sabem, os que não sabem perguntam ou pesquisam com quem sabem, se informam em fóruns ou por ferramentas como o Twitter. Eles participam daquilo que gostam, um exemplo é o Wikipédia, qualquer pessoa pode falar de qualquer assunto, porém há um grupo de moderadores que controlam essas informações. As redes sociais, também servem como exemplo.

Então como pensar na WEB 2.0? Primeiramente estar preparado para receber críticas e resolver todas elas, estar aberto a pluralidade de opiniões. Não subestimar a audiência, como vimos, o internauta que não sabe pergunta para o que sabe ou pesquisa; Estar ligado há tudo que está acontencendo, a inernet é extremamente rápida; E não ter medo de ousar. Um exemplo é a campanha de Barak Obama que teve uma grande repercursão nas mídias sociais, e a equipe estava prontamente atendendo e respondendo a tudo.

Para ingressar nesse universo 2.0 é preciso estar preparado, para aceitar e entender as críticas e os elogios dos internautas, seguidores e clientes. Responder no mesmo universo e mostrar fazer parte desse universo.

Primeiro Layout WEB

5 janeiro 2011

Gente Boa

Meu primeiro Layout de página para internet! to me puxando hehehe.  Gostaria muito das sugestões e críticas de vocês porque nao sei nada sobre esse negócio.

Desde já agradeço a atenção. Segue ai a imagem p’ra vocês comentarem…

A internet: Uma criação cultural

27 dezembro 2010

Obviamente para fins militares, para concentrar as informações em um local para que todas as bases pudessem acessar. Tudo issoa através de uma ligação por cabo. Os militares nem imaginavam como essa atitude poderia gerar um sistema informatizado que permitiriam a criação de uma nova cultura. Nos anos 60 esses a ARPA, mãe de da internet conectava essas bases militares com os departamentos de pesquisa.

Com essa nova possibilidade as universidades iniciaram, nos anos 70 a ligação destas informações, também por meio de cabos (BACKBONES) com intuito de unificar e trocar pesquisas entre alunos e professores de diversos campi.

Em 1983 que se iniciou a troca de protocolos NCP para o atual TCP/IP, muitos nerds da época usavam camisetas dizendo: ” Eu sobrevivi a troca do tcp/ip”. E em 1985 toda a comunidade de pesquisa americana já estava conectada. A USENET, primeira rede social mediada por computar, compartilhava os artigos de pesquisa entre as instituições de ensino. Fóruns, troca de informações, pesquisas, eram atividades gerenciadas por esse sistema.

Bom chegamos aos anos 90 e graças ao senhor Tim Berners-Lee, inicia o conceito de WWW (World Wide Wibe). Mas o que raios isso quer dizer? Rede de alcance mundial, mas para ter esse alcance foi necessário criar programas que entendessem a linguagem HyperText, e os navegadores eram apenas em modo texto. Uma maneira nada convencional de se navegar pela internet. Por isso o National Center Supercomputing Applications (NCSA) criou o modo de visualização gráfica da Web, o Mosaic. Ele é o responsavel pela popularização da internet.

Como se percebeu que esse novo universo cultural era um fundo de investimento a ser muito explorado, em 1993 um grupo da NCSA se separa e cria a Netscape, um navegador gráfico de internet que custo apenas US$ 30,00, então vem o ser Bill, o Gates do universo tecnologico e “vende” o Internet explorer de graça, dentro do Windows. Os caras da Netscape ficaram p… da vida e processaram a Microsof. Certo que ganharam, entao a Microsoft decidiu vender dois produtos, o Windows sem o IE e o Windows com o IE que custava US$ 1,00 a mais… moral da história, os caras quebraram. E hoje para nossa salvação a rapaziada do Netscap criou o MOZILA (Mozaic Killah)…

No Brasil a história não foi muito diferente, no entanto mais tarde, em 1988,  ligando as universidades brasileiras as amercianas. No mesmo ano, pela demanda da ECO-92, surgi o projeto AlterNex. Em 89 o Ministério das Ciências e Tecnologias lança o projeto RNP, o primeiro BACKBONE ligando o Oiapoque ao Chui.

O grande momento da internet, a abertura comercial; A supervaloriozação das .com onde vender online se imaginava um excelente negócio. No entanto qualquer um poderia iniciar um negócio desses abrir seu capital e receber investimento. Em 2001 a bolha explodiu e os investimentos em internet cairam drasticamente.

O que podemos analisar com tudo isso:

Em 20 anos teremos 747 milhões de pessoas com mais de 15 anos de idade;

A velocidade de informação cada vez maior;

Capacidade de comunicação Global;